A diabetes atingindo os cães

O seguimento canino afetado pela diabetes.  Esta doença não atinge apenas os homens, que hoje no Brasil já ultrapassa 14 milhões de pessoas. Como foi dito anteriormente o setor de pet também é afetado por esta doença, principalmente cães e gatos. Quando atinge o reino canino os cuidados são semelhante a dos homens.

 

Quando os cães tem esta doença e não é tratado convenientemente ele pode ter uma serie de consequências. Podemos destacar problema na visão como catarata e retinopatia, alterações neurológicas e problema renal.

 

 

O seguimento canino afetado pela diabetes

 

As características principais que atingem os cães ao dar indício que se encontra com diabetes, são sede excessiva e cansaço acima do normal.  Quando o dono perceber estas duas características em seu animal ele deve imediatamente procurar o veterinário do animal.

 

A primeira atitude que este profissional vai tomar será pedir um exame de sangue para constatar se as suspeitas dele tem fundamento, pois não se engane com esses sintomas ele vai pensar logo na diabetes. Para tirar as dúvidas ele com o exame de sangue em mãos verificarão o nível glicêmico do animal

 

Este nível sanguíneo para ser normal tem bater a taxa entre 60 mg/dL e 110 mg/dL, uma variação elevada desta taxa define que o animal é diabético. A estimativa dos profissionais é que 90% dos cães diabéticos são do tipo 1.

 

Este tipo advém de componentes genéticos que produz uma quantidade de insulina insuficiente, esta substância é um hormônio que permite a entrada de glicose nas células. Isto é dito por especialista da Associação Brasileira de Endocrinologia Veterinária ( ABEV ).

 

A do tipo 1 esta associada à carga genética. Enquanto do tipo 2 esta associada ao sedentarismo e o peso extra que muitos cães carregam consigo e muitos donos de cães acreditam, que isto é uma simbologia de saúde. A obesidade é algo maligno para os cães, como qualquer ser de maneira geral. Ela aumenta o risco em alta proporção para a diabetes do tipo 1 e 2. Então significa que os animais que tem esta pré-disposição genética e os que não têm ficam com a obesidade tento aumentado e muito a possibilidade de adquirir esta doença.

 

As raças mais vulneráveis a ter esta doença

 

As raças que tem risco genético de ter diabetes o especialista orienta a ter maior cuidado com a alimentação desse animal e uma boa dose de exercícios físicos, desta forma você conseguira adiar o problema. O seguimento canino afetado pela diabetes. Agora vamos listar quais são as raças mais suscetíveis a adquirir a diabetes.

 

  • Poodle
  • Schnauzer
  • Labrador
  • Lhasa Apso
  • Terriers

 

Não quer dizer que outras raças não possam tela, principalmente os cães obesos e sedentários. Observe muito bem seu animal. Em geral fora desta lista entraram o do tipo 2.

 

O seguimento canino afetado pela diabetes. Esta doença é muito ruim de ser tratada nos humanos imagina o quanto é difícil tratar em cães e gatos. Então para evitar o problema procure, sempre que possível exercitar seu cão e controlar o máximo a alimentação do mesmo.

 

Tendo uma alimentação saudável e aplicação de insulina.

 

Independente do tipo de diabetes que o cão apresente seu tratamento se baseia em uma alimentação balanceada e aplicação diária de insulina. Vamos começar pela alimentação o cão que adquire esta doença tem que comer ração especial para cães diabéticos.  Esta ração tem carboidratos complexos e em grande quantidade, que facilitam que a glicose chegue mais vagarosamente ao sangue. Desta forma evitará grandes variações na glicemia do animal.

 

Quem opta por uma alimentação variada caseira, também tem que se adaptar a esta nova realidade. Os donos tem que priorizar os alimentos ricos em fibras e descartar as que têm carboidratos simples. Na real deveria cevada, lentilha, grão de bico e carne magra, é um cardápio bem vindo. Em compensação alimentos tipo: pães, bolos, bolachas e qualquer outro alimento que leve farinha branca e açúcar têm que ser erradicado da alimentação do pet.

 

 

O seguimento canino afetado pela diabetes. Tem que seguir o mesmo rigor da alimentação a aplicação da insulina. Geralmente são aplicadas 2 vezes ao dia. Sempre depois da alimentação da manhã e da noite.

 

 

Para aplicar a insulina basta, com cuidado, Pegar uma dobrinha das costas do animal  e aplicar o hormônio com cautela, sempre variando o local da aplicação para não ficar dolorido.

Estas insulinas são especiais para cães diabéticos, mas o veterinário que acompanha o animal que deve fazer a prescrição médica.

 

Conclusão. O seguimento canino afetado pela diabetes tem que abrir mão de muitas coisas que fazia no passado. Se obeso o indicado é seguir a alimentação e caminhar diariamente entre 20 e 30 minutos, caso não seja obeso a parte física, depende da sua estrutura e até onde ele vai poder ir. Sendo que nos dois casos estarão presentes. Alimentação regrada, exercícios, insulina.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Meu nome é Luiz Carlos Ramalho, jornalista e amo escrever. Tenho paixão por gatos e cachorros. Meu lema é só se consegue algo, usando o amor na frente de tudo que se faça.

2 Comments

Deixe um comentário